• Grey Facebook Icon
  • Grey Twitter Icon

Nativa FM 94.1 - Todos os direitos reservados © 2020

  • Nael Rosa

Empresário fala do alto custo e da falta de recursos para a Semana Farroupilha


Piratini, berço farrapo da revolução de 35, sedia desde o dia 14 de setembro o maior evento anual da cidade. Este ano, a população da capital farroupilha e ainda turistas de várias partes do Estado, são atraídos por dez dias de atrações no Centro de Eventos Erni Pereira Alves, que abrigará vinte shows de linha nativista e fandangueira no Palco do Rio Grande, situado no ginásio que integra a estrutura.

Como há ainda o Palco da Capital, local situado na praça de alimentação e que recebe atrações locais, a organização informou que ao todo quarenta shows serão responsáveis pela parte artística.

Em 2017 inseriu-se entre as atividades o passeio de helicóptero, o que novamente estava previsto para ao primeiro final de semana da festa, mas que não foi possível devido ao tempo instável, o que prejudicaria a visibilidade do piloto. Há neste momento uma tentativa dos responsáveis de que a aeronave oferte os passeios no próximo fim de semana.

Custo da festa

Em entrevista concedida ao programa A Notícia em Detalhe, apresentado por Francisco Luçardo, na rádio Nativa FM, Anderson Weber, proprietário da produtora que venceu o pregão eletrônico que lhe deu o direito de explorar a edição 2018, revelou que o custo da festa é extremamente elevado, pois somente com shows principais serão gastos não menos que R$ 160 mil.

“A média por show é R$ 8 mil. Ainda há sonorização e segurança entre os grandes gastos que temos, e com os pacotes que vendemos antecipadamente não paga 40% da festa”, reclama o produtor que lamenta a falta de incentivo de verbas governamentais.

“Sem verbas através da Lei de Incentivo à Cultura-LIC, e da Lei Rouanet, é bem mais complicado custear eventos dessa dimensão, pois os patrocínios de empresas locais ajudam, mas não impactam”, amplia.

Weber disse que da praça de alimentação e ainda dos espaços locados para comercialização de produtos diversos, é obrigado a sair 45% do que é gasto com as atrações musicais, mas caso isso não ocorra, todos os compromissos contratados serão honrados.

“Espero que a comunidade local nos dê uma resposta positiva, afinal o preço é atrativo, mas se ao final dos dez dias não obtivermos o resultado necessário e positivo, iremos cumprir tudo que foi anteriormente acertado”, assegurou o empresário.