Região bate novo recorde de casos de Covid-19

O terceiro panorama regional da Covid-19 publicado pela Azonasul (Associação dos Municípios da Zona Sul) nesta quinta-feira (03) mostra um novo recorde de casos de coronavírus na região. É a quarta semana consecutiva em que a região atinge o recorde de casos registrados.

Em sete dias, de 26 de novembro a 2 de dezembro, foram registrados 2.406 novos casos e 26 óbitos na região. Na semana anterior foram 1.938 casos e 16 mortes registradas.


O novo recorde vem na semana em que a zona sul do estado entra em bandeira vermelha na tentativa de conter o avanço do vírus.


As cidades com mais casos no total até o dia 2 são: Pelotas, com 9.452 casos e 185 óbitos, Rio Grande, com 5.945 casos e 148 óbitos, e São José do Norte, com 880 casos e 60 óbitos.


Na semana até 2 de dezembro as cidades que tiverem maior aumento numérico foram Pelotas, que registrou 1.262 casos, Rio Grande que registrou 368 casos e Canguçu, com 153 novos casos.


Piratini teve um aumento de 26,4% no número de casos, com 23 confirmações, chegando ao total de 110.


Henrique Feijó, secretário-executivo da Azonasul, destaca um crescimento nunca visto em alguns municípios, como Cerrito, que teve um aumento de 62,5% do total de casos, com 45 registros na semana. “Quanto menor a cidade, mais preocupa, porque os recursos são poucos nas cidades pequenas. Não têm UTI, não têm aqueles recursos que tem em cidades maiores, como Pelotas e Rio Grande, que são referência na região”, aponta Feijó.


O secretário também destaca que há outro agravante, “foram desativadas algumas UTIs pelo custo que elas representam para o estado e pros municípios. Pra retomar essas UTIs, nós não estamos com dificuldade de equipamento, mas com dificuldade de equipe médica”.


No entanto, Feijó descarta a possibilidade de aumentar as restrições. “Enquanto der pra resistir com o que se dispõe em termo de retaguarda hospitalar, não se pretende uma mudança. A bandeira preta pode acontecer, mas o próprio estado não quer pensar nisso porque seria de maior dano pra economia pra região. É uma parada total. Se tiver que se tomar uma medida mais fortes, os governos vão ter que adotar posições mais fortes”, aponta o secretário-executivo.


Todos os 22 municípios da região registraram casos ativos, e as 26 mortes foram: 11 em Pelotas; 3 em São Lourenço do Sul; 6 em Rio Grande; 1 em Capão do Leão; 1 em Piratini; 1 em São José do Norte; 1 em Arroio Grande; 1 em Candiota e 1 em Canguçu.


Na tarde desta quinta-feira (03), a região de Pelotas apresenta uma ocupação de 87,6% dos 170 leitos de UTI disponíveis.