Região sul considera a compra de vacinas russa e indiana

Após o anúncio de intenção de compra de vacinas contra a Covid-19 pelos municípios da Associação dos Municípios da Zona Sul (Azonasul), o presidente da entidade, Vinicius Pegoraro, informou que o grupo de municípios estuda a compra de duas vacinas, a Sputnik V, desenvolvida na Rúsia, e a Covaxin, desenvolvida na Índia.


Em publicação no Facebook, a Prefeitura de Piratini manifestou a intenção de adquirir 15 mil doses, que seriam suficientes para imunizar 7.500 pessoas, caso o imunizante necessite de duas doses.


Segundo Pegoraro, a Azonasul já trabalha com essa ideia há cerca de 10 dias.


"Nos primeiros contatos não tivemos abertura dos laboratórios, devido às negociações que estavam realizando com o governo federal. Nesta semana, contatamos novamente e foi possível encaminhar algumas possibilidades", diz o Vinicius, que também é prefeito de Canguçu.


O presidente da Azonasul diz que a associação espera que o governo federal se esforce e centralize a compra de vacinas, mas que "estamos nos preparando para caso isso não ocorra".


As vacinas

A Covaxin é desenvolvida pela indiana Bharat Biotech, e anunciou nesta quarta-feira (3) a eficácia de 80,6% do imunizante em testes de fase 3. Esta vacina é baseada em vírus inativados, ou seja, utiliza virus expostos a calor e produtos químicos em laboratório para que não sejam capazes de se reproduzir e gerem resposta imune no organismo humano.


Em 25 de fevereiro, o Ministério da Saúde informou ter assinado acordo para a compra de 20 milhões de doses da Covaxin.


A Sputnik V é desenvolvida pelo Instituto Gamaleya, da Rússia, e tem eficácia de 91,6%. Ela é uma vacina de vetor viral baseada no adenovírus humano, fundido com a proteína spike do coronavírus para gerar resposta imunológica. Ela possui tecnologia similar à da vacina de Oxford/AstraZeneca, já em uso no Brasil.


O Ministério da Saúde anunciou nesta quarta-feira a chegada de 400 mil doses da Sputnik V ainda em março, de um total de 10 milhões.


Nenhuma das duas vacinas possui autorização da Anvisa para uso no Brasil.